segunda-feira, 15 de maio de 2017

Yellow

Ela quer se mudar e carrega apenas seu coração apertado em uma mala de mão. Ela está a procura de um canto qualquer e seguro onde possa ficar por uma noite e depois pela vinda inteira, um lugar onde possa criar ervas e pendurar quadros em uma parede amarela. Mas ela não consegue encontrar a saída e começa a desconfiar que talvez nem exista saída, que viver não seja nada além do que tatear objetos em um quarto escuro. Talvez não exista nada ali na frente e sejamos apenas personagens de um romance patético de um escritor fodido e bêbado. Talvez isso tudo não passe de uma grande trapaça, um perfil fake em uma rede social qualquer. Ela tem quase certeza que viver seja inventar histórias para os outros e para nós mesmos e repeti-las na frente do espelho tantas vezes quanto forem necessárias para que se tornem verdades. Ela procura por saídas, mas talvez não existam mesmo saídas, somente tímidas frestas de luz iluminando o quarto escuro.