sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Primeiro de setembro

É quase primavera e mesmo com as mãos atadas, com o sonho desfeito e o grito contido, o coração insiste em bater. É quase primavera e mesmo com meus ouvidos e olhos cansados de tanta estupidez e dor, a esperança se faz presente, entra sorrateira pela janela e se instala tímida aos meus pés. É quase primavera e uma flor vermelha brota gloriosa, mesmo com a água escassa, mesmo com a terra dura e a sombra persistente. É quase primavera e eu não tenho porque fugir ou me render.