quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Caminheiro

Se deixas de me amar, lentamente também mato meu amor por ti.  Se me esqueces, em poucos dias memórias tuas já não tenho. Se queres ir embora, vá. Mas ao partir queime todas as pontes, apague rastros, destrua as trilhas, esqueça atalhos. Se pensares em voltar procure novos caminhos, abra novas estradas,  por onde andavas já não me encontrarás. Se tens alguma dúvida não se aproxime, mantenha-se distante e seguro. A hesitação aqui não tem mais pouso, o talvez já não me prende, é a certeza agora, somente ela, que me seduz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário