sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Mãos


As mãos da velha italiana sentada ao meu lado no metrô
Parecem tão conhecidas e familiares.

As mesmas manchas e rugas,
Os mesmos anéis de ouro foscos pelo tempo,
A maneira como repousam suavemente ao longo das pernas.

As mãos da velha italiana sentada ao meu lado no metrô
São as mãos que terei um dia.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Na manhã verde de um domingo

Leve
Seu corpo sobre o meu

Compensa

O peso monstruoso do silêncio
O amargo da espera
A força cortante de um não

domingo, 23 de agosto de 2009

Desilusão amorosa


Amava todos os cães que encontrava pelas ruas.
A recíproca nem sempre era verdadeira.
Entre delírios e latidos, morreu de raiva.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Viagem

Na geometria do teu corpo,
Armadilhas para os sentidos.
No gozo sou outra,
Me transformo,
Viajo.


terça-feira, 11 de agosto de 2009

Fragmentos de uma manhã



Bandidos fecham túnel no Rio de Janeiro e assaltam motoristas.
Morte de jovem causa distúrbios em periferia de Paris.
Líder opositora de Mianmar é condenada a 18 anos de prisão.
Um poeta espanhol distribui panfletos na Praça da Sé.

O que é margem e o que é marginalidade?
E eu, cotidiana, fútil e tributável, de qual lado estou?
Quantos graus tem minha miopia?
Qual deverá ser meu próximo movimento?

Mundo, mundo, vasto mundo,
Se não é possível a rima, será possível uma solução?

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Fim de caso

Du, você me ama?

Amo.

Quanto?

Muito.

Muito quanto?

Muito muito.

Du, eu também te amo.

Muito,muito pouco.


terça-feira, 4 de agosto de 2009

Crise de asma

Tento respirar
Não consigo
Inspiro...
O ar escapa
Persigo
Persisto
O ar foge
Expiro...
Com cuidado

Inspiro...
Me elevo
Tentando respirar

Inspiro...
Mais alto
Mais alto

Expiro...
O ar escapa
Devagar