sexta-feira, 31 de julho de 2009

Naftalina


Não, não te esqueci. Confesso que até tentei, mas desisti. É inútil lutar contra a minha natureza e nadar contra a corrente. Então, só te guardei. Guardei junto com aquele vestido longo de verão que eu adoro e é impossível vestir no inverno paulistano. Guardei na gaveta dos amores impossíveis, das fantasias não realizadas, dos desejos sufocados, do carinho infinito. Talvez, num dia claro de verão eu tire o vestido da gaveta, saia pela avenida e num ímpeto te telefone e vá ao teu encontro. No entanto, teremos um grande problema: o insuportável cheiro de naftalina.

2 comentários:

  1. o cheiro é do vestido ou do cara? rsrsrs
    melhor tentar outro, já dizia o ditado, figurinha repetida nao completa álbum
    beijos

    ResponderExcluir
  2. querida Tânia: vista seu vestido longo mesmo no inverno, especialmente se estiver chovendo do jeito que chove em São Paulo. volte pingando para casa e ponha o lixo...Juro que fnciona. beijos Bruna

    ResponderExcluir